sábado, 29 de dezembro de 2012

VENCEDORES DO 3º PRÊMIO VÁLVULA DE ESCAPE

E com a aproximação do final de 2012 chegou a hora de revelar os destaques que passaram pelos palcos de Montenegro neste ano. Saliento que as escolhas relacionadas abaixo são opiniões pessoais do autor deste blog, uma grande brincadeira, mas também uma forma de relembrar e destacar os profissionais e espetáculos que ficaram na minha memória.
Este ano já chegamos na 3ª edição do Prêmio Válvula de Escape, um prêmio virtual que não distribui troféus, estatuetas nem tapetes vermelhos, nem valores em dinheiro, apenas a lembrança na memória do público. Estou pensando em na próxima edição tentar buscar apoios para quem sabe distribuir algo aos destaques.
Então vamos deixar de delongas e revelar quem foram os agraciados deste ano, e se você quiser conhecer os vencedores das edições anteriores clique nos links abaixo:
 
DESTAQUE ESPECIAL
 

A atriz Tainá Hass Theis pela atuação e concepção do espetáculo "DONA COISA"

 
DRAMATURGIA



CENÁRIO -
 
TRILHA SONORA
 
Tiago Krutz, Patrick Costa e Oficina Montagem UERGS - O Jardim das Cerejeiras


 

FIGURINO
 
Cláudio Benevenga - Artimanhas de Scapino

ILUMINAÇÃO
 
Satori Associação Teatral - Noite de Walpurgis
  
ATOR COADJUVANTE
 
Carlos Mödinger - O Jardim das Cerejeiras



ATRIZ COADJUVANTE
 
Raquel Guerra - O Amor é uma falácia

ATOR
 
André Assmann - O Amor é uma falácia

ATRIZ
 



DIREÇÃO
 

ESPETÁCULO
 
Parabéns a todos os profissionais e espero que em 2013 possamos nos encontrar novamente nos palcos, e que todos tenham um grande ano, com muita produção artística, muitos projetos e muita arte nas veias.
 
Com carinho
Diego Ferreira






quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

INDICADOS AO 3º PRÊMIO VÁLVULA DE ESCAPE

R&J Shakespeare - Juventude Interrompida - Melhor Espetáculo de 2011

E eis os grandes indicados ao prêmio Válvula de Escape. Uma grande brincadeira, onde iremos eleger aqui no blog, os melhores trabalhos que passaram por Montenegro em 2012, segundo a minha opinião, opinião de um apaixonado pelo teatro e que respeita os profissionais que dedicam-se magnificamente por esta arte. Hoje vou listar quais foram os destaques para depois eleger os meus preferidos, embora todos mereçam minha atenção. E os indicados são: 

DRAMATURGIA
Fábio Castilhos - O Baú - Lembranças e Brincanças
Júlio Conte - Vendetta Corsa - Porque minha ferida é mortal
Tainá Haas Theis - Dona Coisa
Laédio Martins - O amor é uma falácia
Marcos Cardoso - Moda de Viola

CENÁRIO
Élcio Rossini - Artimanhas de Scapino
Teatro Por que não? - Fim de Partida
Curto Arte - Receitas da Tia Herta
Vendetta Corsa - Porque minha ferida é mortal
De pernas pro ar - O Lançador de foguetes
Cia Stravaganza - Bebê Bum

TRILHA SONORA
Grupo Cheiro de Chuva - O Auto da Camisinha
Sérgio Baiano - O Baú - Lembranças e Brincanças
Marcos Chaves - Artimanhas de Scapino
Júlio Conte - Vendetta Corsa - Porque minha ferida é mortal
Oficina Montagem UERGS - O Jardim das Cerejeiras

FIGURINO
Sabrina Schwan - O Auto da Camisinha
Fernanda Beppler - I-mundo
Cláudio Benevenga - Artimanhas de Scapino
Grupo Só Deus Sabe - A Lenda da Cobra Grande
Oficina Montagem - O Jardim das Cerejeiras


ILUMINAÇÃO
Rodrigo Azevedo - A lenda da cobra grande
Júlio Conte - Vendetta Corsa - Porque minha ferida é mortal
Satori Associação Teatral - Noite de Walpurgis
Bruna Immich - O Baú - Lembranças e Brincanças
Juliet Castaldello - Fim de Partida
Juliano Canal - O Jardim das Cerejeiras

ATOR COADJUVANTE
Carlos Paixão - Artimanhas de Scapino
Kauã Kubaski - Fim de Partida
Felipe Martinez - Fim de Partida
Marcelo Mertins - Artimanhas de Scapino
Carlos Mödinger - O Jardim das Cerejeiras

ATRIZ COADJUVANTE
Rafaela Costa - Fim de Partida
Catharina Conte - Zuccos
Raquel Guerra - O amor é uma falácia
Barbara Marmor - O auto da camisinha
Bruna Descovi - O auto da camisinha
Morgana Rodrigues - O Jardim das Cerejeiras

ATOR
Leonardo Bergonci - Emsaias?!
André Assmann - O amor é uma falácia
André Galarça - Fim de Partida
Alexandre Borin - Noite de Walpurgis
Luciano Wieser - O lançador de foguetes
Rodrigo Azevedo - O Jardim das Cerejeiras

ATRIZ
Caroline Faleiro - O Baú - Lembranças e Brincanças
Tainá Haas Theis - Dona Coisa
Franciele Aguiar - Noite de Walpurgis
Giovana Zottis - O Baú - Lembranças e Brincanças
Fernanda Beppler - I-Mundo

DIREÇÃO
Sabrina Schwan - O Auto da Camisinha
Rodrigo Azevedo - A Lenda da cobra grande
Fábio Castilhos - O Baú - Lembranças e Brincanças
Júlio Conte - Vendetta Corsa - Porque minha ferida é mortal
Luiza de Rossi - Fim de Partida
Irion Nolasco - Noite de Walpurgis
Marcos Cardoso - Moda de Viola

ESPETÁCULO
O amor é uma falácia
O lançador de foguetes
O Baú - Lembranças e Brincanças
Fim de Partida
Vendetta Corsa - Porque minha ferida é mortal
O Jardim das Cerejeiras

Confira os melhores da edição passada clicando AQUI.
A lista com os vencedores sai na última semana de dezembro, até breve!!!

BALANÇO DA CENA TEATRAL EM MONTENEGRO EM 2012

R&J Shakespeare: Juventude Interrompida, espetáculo vencedor da edição 2011.

Durante este ano, Montenegro recebeu diversos espetáculos na área de Artes Cênicas: passaram pelos palcos, praças e espaços alternativos da cidade vários espetáculos de teatro, dança, "teatro-dança", circo, e teatro infantil. Uma boa notícia foi a realização do 1º Montenegro em Cena, que trouxe diversos espetáculos a cidade, oportunizando um momento de troca e reciclagem. 
Confira abaixo os espetáculos que passaram pela cidade, e assim como nos últimos dois anos que este blog tem se dedicado a registrar a memória da cena na cidade, registramos um número bastante expressivo, tratando-se de uma cidade do interior. Foram 34 diferentes espetáculos, tirando as peças de caráter escolar, vindas de diversas partes do Estado como: Porto Alegre, Montenegro, Santa Maria, Caxias do Sul, Campo Bom, Dois Irmãos, Maquiné, Estância Velha, Taquara, Charqueadas, Salvador do Sul, Sapiranga, Novo Hamburgo, Canoas e Passo Fundo.
 E mais uma vez, pelo 3ºano consecutivo o Blog Válvula de Escape está propondo uma grande brincadeira, que consiste em destacar os artistas que movimentaram a cena teatral da cidade. 
O Prêmio Válvula de Escape é um prêmio virtual que destaca os melhores espetáculos de Artes Cênicas, segundo a ótica do autor do blog, divididas em categorias como: Espetáculo, Direção, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Cenário, Figurino, Trilha Sonora, Iluminação. 
Confira abaixo a lista completa dos espetáculos apresentados em Montenegro em 2012 e na próxima semana divulgaremos os indicados e em seguida o resultado da nossa brincadeira:


O QUE FICA É O CAMINHO - Nonô Jazz (Montenegro)

OS DESCASADOS - Renascença Cia de Teatro (Montenegro)

O BAÚ - LEMBRANÇAS E BRINCANÇAS - Grupo Trilho de Teatro Popular (Porto Alegre)

EMSAIAS?! Leonardo Bergonci (Santa Maria)

PIAZZOLA COREOGRAFADO - Troupe Xipô (Montenegro)

DONA COISA - Grupo Cheidicoisprafazem (Santa Maria)

RADICCI E GENOVEVA - UEBA - Produtos Notáveis (Caxias do Sul)

ARTIMANHAS DE SCAPINO - Teatro ao Quadrado (Porto Alegre)

DE 4 É BEM MELHOR - Lucas Krug (Porto Alegre)

MISÉRIA, SERVIDOR DE DOIS PATRÕES - Oigalê (Porto Alegre)

FIM DE PARTIDA - Teatro Por que não? (Santa Maria)

O REI CEGO - Teatro do Clã (Montenegro)

ZUCCOS - Cômica Cultural - (Porto Alegre)

EU TE AMO - Grupo Balança mas não cai ( Campo Bom)

O AMOR É UMA FALÁCIA - Ateliê do Comediante - (Santa Maria)

RECEITAS DA TIA HERTA - Curto Arte (Dois Irmãos)

A LENDA DA COBRA GRANDE - Grupo Só Deus Sabe (Maquiné)

QUASE AMORES - OTC – Oficina de Teatro do CLAK (Estancia Velha)

O AUTO DA CAMISINHA - Grupo Cheiro de Chuva (Taquara)

FLORES NO ABISMO - EXPERIMENTO STRINDBERG - Grupo 7 na Caminhonete (Charqueadas)

VELEIRO DAS ESTRELAS - Grupo Arena da Arte (Sapiranga)

MODA DE VIOLA - Grupo Deixa Quieto (Salvador do Sul)

VENDETTA CORSA - PORQUE MINHA FERIDA É MORTAL - Cômica Cultural (Porto Alegre)

PRA CADA SAPATO UM PATO - Núcleo de Artes Cênicas ParaNóia  (Novo Hamburgo)

LAÇOS DE SANGUE - UM MELODRAMA - Teatro UERGS (Montenegro)

NOITE DE WALPURGIS - Satori (Porto Alegre)

BEBÊ BUM - Stravaganza (Porto Alegre)

O LANÇADOR DE FOGUETES - De pernas pro ar (Canoas)

TEATRO LAMBE- LAMBE - Grupo Divina Comédia (Porto Alegre)

GURI DE URUGUAIANA - Jair Kobe (Porto Alegre)

VIAGEM DE UM BARQUINHO - Grupo Viramundos (Passo Fundo)

O CASAMENTO DE HERMELINDA - Grupo Viramundos (Passo Fundo)

O HIPNITIZADOR DE JACARÉS - Circo-Teatro Girassol (Porto Alegre)

I-MUNDO - Grupo Mototóti (Porto Alegre)

O JARDIM DAS CEREJEIRAS (Montenegro)




Na próxima postagem apresentarei os indicados ao 3º Prêmio Válvula de Escape.




terça-feira, 4 de dezembro de 2012

CABARÉ EM ATOS (RS)


07,08 e 09 de Dezembro
Sexta e Sábado as 21h - Domingo 20h
Projeto Noite do Circo - Entrada Franca
Teatro de Câmara Túlio Piva


O público é transportado a uma atmosfera de um típico cabaré dos anos 20, onde personagens de cabarés - pin ups, melindrosas e outros figurões - levam a irreverência para números circenses de equilíbrio, malabarismo, manipulações, dança aérea e coreografias acrobáticas.

O QUE FICA É O CAMINHO (RS)



Espetáculo de Dança 
Dias 8 e 9 de dezembro 2012
ATENÇÃO: Em caso de mau tempo a data será transferida para 12 e 13 de dezembro. 
Certifique-se pelo fone 8585 8912

Ingressos: R$15,00 / Banana Nanica, Cabral Tintas, Creche Pingo de Gente, Vice Versa e com as alunas da escola, ou pelo fone 8585 8912, 

Apoio: PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTENEGRO, GRÁFICA LUTZ, MADEIREIRA MONTENEGRINA, NÉCO STÚDIO GRÁFICO, REAL EMPREENDIMENTOS e SPA TOUR LIFE

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

INDICADOS AO PRÊMIO AÇORIANOS, TIBICUERA E MAIS REVELAÇÃO DE TEATRO 2012



CONHEÇA OS INDICADOS AOS PRÊMIOS AÇORIANOS DE TEATRO, TIBICUERA DE TEATRO INFANTIL E MAIS TEATRO REVELAÇÃO 2012.

PRÊMIO TIBICUERA DE TEATRO INFANTIL

Melhor Espetáculo
Aventuras no Fundo do Mar
Fábulas em 4 tempos ou o fabuloso La Fontaine
Maria Teresa e o Javali

Melhor Direção
Marcos Chaves, por Fábulas em 4 tempos ou o fabuloso La Fontaine
Raquel Grabauska, por Maria Teresa e o Javali
Rossendo Rodrigues, por Aventuras no Fundo do Mar

Melhor Ator
Evandro Soldatelli, por Para sempre terra do nunca
Philipe Philippsen, por Porto Alegre no Livro das Crianças Perdidas
Plínio Marcos Rodrigues, por Fábulas em 4 tempos ou o fabuloso La Fontaine
Vinícius Petry, por Maria Teresa e o Javali 

Melhor Atriz
Márcia do Canto, por O mundo de Camila, o livro em cena
Raquel Grabrauska, por Maria Teresa e o Javali
Tefa Polidoro, por Fábulas em 4 tempos ou o fabuloso La Fontaine
    
Melhor Ator Coadjuvante
Leonardo Barison, em Para sempre terra do nunca
Ricardo Zigomático, em Aventuras no Fundo do mar

Melhor Atriz Coadjuvante
Karen Radde, por Para sempre terra do nunca
Karen Radde, por “Era uma vez uma História...”
Marina Mendo, por Aventuras no Fundo do Mar

Melhor Figurino
Margarida Rache, por Porto Alegre no Livro das Crianças Perdidas
Teatro Sarcáustico, por Aventuras no Fundo do Mar
Titi Lopes, por “Era uma vez uma História...”

Melhor Cenografia
Cláudio Levitan, por Porto Alegre no Livro das Crianças Perdidas
Júlio Freitas, por Para sempre terra do nunca
Marco Fronckowiak, Maura Sobrosa, Daniel Carvalho, Rafael Araújo, Paulo Cruz e Ateliê GZBL por Fábulas em 4 tempos ou o fabuloso La Fontaine
Teatro Sarcáustico, por Aventuras no Fundo do Mar

Melhor Iluminação
Casemiro Azevedo, por Aventuras no Fundo do Mar
Anilton Souza e João Fraga, por Porto Alegre no Livro das Crianças Perdidas
Ronald Radde e Patrik Simões, por “Era uma vez uma história...”

Melhor Trilha
Alexandre Missel e Marina Mendo, por Aventuras no Fundo do Mar
Cláudio Levitan, por Porto Alegre no Livro das Crianças Perdidas
Gustavo Finkler, por Maria Teresa e o Javali

Melhor Dramaturgia
Plínio Marcos Rodrigues, por Fábulas em 4 tempos ou o fabuloso La Fontaine
Rossendo Rodrigues, por Aventuras no Fundo do Mar
Gustavo Finkler e Raquel Grabauska, por Maria Teresa e o Javali

Melhor Produção
Ellen D’avila, por Para sempre terra do nunca
Ellen D’avila, por “Era uma vez uma História...”
Guadalupe Casal e Rossendo Rodrigues, por Aventuras no Fundo do Mar
Paulo Guerra, por Os Três Porquinhos
Viviane Falkembach, por Fábulas em 4 tempos ou o fabuloso La Fontaine

PRÊMIO AÇORIANOS DE TEATRO 2012

Melhor Produção
Carol Zimmer por O Linguiceiro da Rua do Arvoredo
Fernando Zugno por Inimigos de Classe
Inês Marocco, Isandria Fermiano e Martina Fröhlich por Incidente em Antares
Morgana Kretzmann por Nossa Vida Não vale um Chevrolet
Nátali Caterina Karro por Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues

Melhor Iluminação
Carol Zimmer por O Linguiceiro da Rua do Arvoredo
Daniel Fetter e Fabricio Simões por Os Plagiários – uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues
Fernando Ochoa por Landell de Moura – O Incrível padre Inventor
Fernando Ochoa por Sr Kolpert
Lucca Simas e Luciana Tondo por O Feio

Melhor Figurino
Daniel Lion por O Casamento do Grande mágico Maycon Estalonne
Daniel Lion por Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues
Létz Pinheiro por O Linguiceiro da Rua do Arvoredo
Marina Kerber por O Feio
Rô Cortinhas por Incidente em Antares

Melhor Cenografia:
Daniel Lion por Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues
Felipe Helfer por O Casamento do Grande  Mágico Maycon Estallone 
O grupo por O Feio
Leonardo Fanzelau por Cara a Tapa
Zoé Degani por Nossa Vida não vale um Chevrolet

Trilha Sonora
Arthur de Faria por Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues
Bruno Westermann e Lauro Pécktor por O Linguiceiro da Rua do Arvoredo
Celso Zanini, Philipe Philippsen e Martina Fröhlich por Incidente em Antares
Mirah Laline por O Feio
Simone Rasslan, Mateus Mapa e Diego Silveira por O Baile dos Anastácio

Dramaturgia
Antonio Costa Neto por O Bom, o Mau e sua Esposa
Celso Zanini, Filipe Rossato, Kalisy Cabeda e Philipe Philippsen por Incidente em Antares
Diones Camargo por Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues
Julio Conte por Beckett & Bion – Gêmeo Imaginário
Patrícia Fagundes e Zé Adão Barbosa por Coração Randevú

Ator Coadjuvante- 
Cassiano Ranzolin por Nossa Vida não vale um Chevrolet
Denis Gosch por O Linguiceiro da Rua do Arvoredo
Fernando Zugno por Inimigos de Classe
Paulo Roberto Farias por O Feio
Rodrigo Scalari por  Do It

Atriz coadjuvante
Danuta Zaghetto por O Feio
Fernanda Petit por Nossa vida não vale um Chevrolet 
Gabriela Grecco por Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues
Isandria Fermiano por Incidente em Antares
Renata de Lélis por Landell de Moura por O Incrível Padre Inventor

Melhor Ator
Roberto Oliveira por Um Verdadeiro Cowboy
Rossendo Rodrigues por O Feio
Sirmar Antunes por O Coração de um Boxeador
Vinicius Meneguzzi por Cara a Tapa
Zé Adão Barbosa por Coração Randevú

Melhor Atriz
Larissa Tavares por O Bom, o Mau e sua Esposa
Martina Fröhlich por Incidente em antares
Patrícia Soso por Cara a Tapa
Tefa Polidoro por (E)Terno
Ursula Collischonn por O Linguiceiro da Rua do Arvoredo

Melhor Direção
Guadalupe Casal, Jezebel de Carli, Mário Balenti e Marcelo Restori por Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues
Inês Marocco por Incidente em Antares
João Pedro Madureira por Cara a Tapa
Mirah Laline por O Feio
Patrícia Fagundes por Coração Randevú 

Melhor Espetáculo:
Cara a Tapa
Coração Randevú
O Feio
Incidente em Antares 
Os Plagiários– uma adulteração ficcional sobre Nelson Rodrigues

PRÊMIO MAIS TEATRO REVELAÇÃO

Melhor Espetáculo
As façanhas de Aristão, o desafortunado
PT Saudações
A serpentina ou meu amigo Nelson
To be or not to Beckett       

Melhor Direção
Cândida Bazanella – Edward, o retorno
Evelise Mendes – A serpentina ou meu amigo Nelson
Gyan Celah – PT Saudações
Jocemar Chagas – As façanhas de Aristão – o desafortunado

Melhor Ator
Alexandre Borin – A serpentina ou meu amigo Nelson
Gyan Celah – PT Saudações
Marcelo Pinheiro – A serpentina ou meu amigo Nelson
Sidnei Pereira – As façanhas de Aristão, o desafortunado

Melhor Atriz
Camila Rosa – PT Saudações
Carolina Diemer – To be or not to Beckett
Morgana Rodrigues – Edward, o Retorno
Sofia Villasboas – Ensaio sobre a repetição

Fonte: http://maisteatro.blogspot.com.br/

domingo, 2 de dezembro de 2012

FAUNO (RS)



GRUPOJOGO & VERTE Filmes apresentam:

FAUNO
inspirado em ‘L'après-midi d'un faune’ 
de Vaslav Nijinsky

05 e 06 de dezembro de 2012
Sessões as 21 horas e 21horas e 45 minutos
Sala Álvaro Moreira
(Centro Municipal de Cultura Lupicínio Rodrigues - Av. Erico Verissimo, 307)
Ingressos: 20 reais (50% estudantes, idosos, artistas) - Estacionamento Gratuito


Direção: Alexandre Dill | Intérprete: Igor Pretto | Coreografia: Igor Pretto e Alexandre Dill | Cenário: Bruno Salvaterra | Figurino: Fabrízio Rodrigues | Direção de Fotografia e vídeo: Pedro Henrique Risse e Gabriel Faccini | Iluminação: Fabricio Simões | Arte Gráfica: Luiza Mendonça | Contrarregras: Ravel Andrade e Vicente Vargas | Divulgação e Produção: Palco Aberto Produções | Realização: GRUPOJOGO de ExperimentAção Cênica


Sobre o espetáculo:

‘L'après-midi d'un faune’ é considerado um dos poemas mais importantes da literatura francesa. Escrito entre 1865 e 1867 por Stéphane Mallarmé, a obra serviu como base para a criação do balé homônimo de Vaslav Nijinsky, 36 anos após sua publicação. Há 100 anos estreava em Paris no Théâtre du Chatelet, com coreografia do próprio Nijinsky, figurinos de Léon Bakst e música de Debussy , numa criação dos Ballets Russes de Diaghilev.

O GRUPOJOGO de ExperimentAção Cênica, ao evidenciar a relevância das obras de Mallarmé, Debussy e Nijinsky, se inspira nas mesmas para a criação de seu novo espetáculo, propondo mais uma vez um processo criativo e uma linguagem cênica e estética que pensem a dança e o teatro como formas de criação artística inseparáveis, baseando-se nos estudos de Vsevold Meyerhold e Rudolf Von Laban, que colocam o corpo como elemento fundamental da exploração expressiva do intérprete.

O espetáculo Fauno, comemora os 5 anos de atividades ininterruptas do GRUPOJOGO, rememora os 100 anos da marcante coreografia de Nijinsky, ao mesmo tempo em que propõe uma pesquisa cênica que une os elementos sonoros, visuais e lúmicos da cena ao corpo, sem qualquer tipo de hierarquia, criando o universo de sonho e desejo de um fauno, figura clássica da mitologia.

saiba mais em:

www.projetofauno.blogspot.com.br
www.facebook.com/projetofauno 
www.grupojogo.wix.com/grupojogo

sábado, 1 de dezembro de 2012

NAVALHA NA CARNE (RS)



Dias 04, 05 e 06 de dezembro de 2012 – Sempre às 20h
(Sessão extra - dia 06/12 - 22h)
DAD (General Vitorino, 255 – Centro, Porto Alegre/RS)
Entrada Franca

Sinopse:
Navalha Na Carne é o mais novo espetáculo teatral da Cia. de Teatro Gato&Sapato, a partir do ácido texto de Plínio Marcos, que expõe a marginalidade de forma crua, apresentando o submundo da sociedade através de seus principais arquétipos: o cafetão e traficante Vado, a prostituta Neusa Suely e o homossexual Veludo. Através desses personagens, o público conhece a sociedade existente por debaixo do tapete, com as feridas expostas pela navalha do sistema. 

Ficha Técnica:

Texto: Plínio Marcos 
Direção: Leandro Ribeiro 
Assistência de Direção: Magda Schiavon
Elenco: Cláudia Lewis, Luís Carlos Pretto e Douglas Carvalho 
Participações de: Amália Ceola, Márcia Metz e Júlio Ghan.
Orientação Acadêmica: Adriane Mottola e Letícia Coelho
Consultoria em Cenografia: Pedro Delgado
Figurinos: O grupo
Produção: Douglas Carvalho 
Realização: Cia. de Teatro Gato&Sapato e DAD/IA/UFRGS

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

30 ANOS DE DANÇA - SUZANA D'AVILA STUDIO



Dia 03 de dezembro de 2012, segunda às 20h30
Teatro do Bourbon Contry
Este ano “Suzana d’Avila Studio de Dança” comemora 30 anos de vida. Desde 1982 Suzana d’Avila acredita que através da arte de dançar o ser humano possa se encontrar e se sentir melhor e mais feliz. Desenvolvendo a dança como um todo, onde corpo e mente se beneficiam da arte.

O espetáculo é uma grande celebração desses 30 anos ininteruptos de dança. Apresentamos remontagens das melhores coreografias, as mais dançadas e mais premiadas. Um espetáculo de grandes sucessos que proporcionam uma viagem na nossa história, revivendo, recriando e reinventando o que de melhor fazemos que é dançar.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

NÃO EXISTE MULHER DIFÍCIL (RJ)



NÃO EXISTE MULHER DIFÍCIL
com Marcelo Serrado
Dias 30 de novembro e 01 de dezembro de 2012, sex e sáb às 21h no Teatro do Bourbon Country

A comédia Não Existe Mulher Difícil traz o ator Marcelo Serrado, em seu primeiro monólogo, dias 30 novembro e 1º dezembro, ao Teatro do Bourbon Country, em Porto Alegre, e dia 2 dezembro, ao Teatro Feevale, em Novo Hamburgo. A peça é inspirada no livro homônimo de André Aguiar Marques, com adaptação de texto de Lúcio Mauro Filho e direção de Otávio Müller. O divertido e dinâmico monólogo retrata, de forma engraçada e às vezes até estereotipada, o que um homem faz depois da separação. Após ser deixado pela mulher, o personagem volta ao universo dos solteiros e se vê em uma nova realidade; as mulheres estão mais independentes e, a cada dia, mais exigentes.

PARA SEMPRE: POESIA! (RS)



PARA SEMPRE: P O E S I A!
Uma história real e tragicômica de amor, loucura e arte

José, após ter sido preso pela ditadura militar e herdado desta experiência grave sofrimento psíquico, escolhe a arte como afirmação da vida e com esta escolha, conquista uma incansável companheira. Seli, artista plástica inconformada e bonequeira vibrante, passa a tomar, junto a ele, doses diárias da seguinte decisão: Apesar de tudo, Poesia! Da união deste atormentado e criativo casal nasce Rita, que vem agora, neste poético e tragicômico monólogo, transpor para a cena poemas da autoria de seu pai, além de textos próprios e obras de sua mãe. A atriz lança-se num diálogo entre vida e arte, trazendo à cena episódios marcantes da vida de seus pais, servindo-se de vídeos, depoimentos, interpretação de personagens e teatro de bonecos voltado ao público adulto.


QUANDO? QUARTAS-FEIRAS – 28 DE NOVEMBRO, 05, 12 E 19 DE DEZEMBRO - 20HS

ONDE? TEATRO DE CÂMARA TÚLIO PIVA (RUA DA REPÚBLICA, 575, CIDADE BAIXA – PORTO ALEGRE) 

ENTRADA FRANCA

Ficha técnica

Concepção e Texto: Rita Maurício (com poesias de José Luiz Maurício)
Elenco: Rita Maurício
Direção da primeira versão: Júlio Saraiva 
Direção desta remontagem: Mirah Laline
Criação e confecção de bonecos: Seli Maurício
Vídeos: Rita Maurício, Márcia Rosa e Roberto Ruchiga
Iluminação: Luciana Brito
Figurinos: Rita Maurício, Sérgio Stein e Mirah Laline
Apoio no burilamento de cenas: Anildo Micheloto e Daniel Alberti


PIMENTA DO REINO EM PÓ (RS)


01 a 16 de Dezembro
Sábados e Domingos - 16hs
Sala Álvaro Moreira


Mergulho em um fantástico mundo do faz-de-conta, no qual crianças de verdade convivem com seres fantásticos e máquinas malucas. Matias, Tiago e Alice, em busca de seu avô, vivem a aventura de suas vidas, deparando-se com temas tais como a amizade, o amor, a curiosidade, a descoberta, a auto-superação e o trabalho em equipe.

Direção Suzi Martinez
Elenco Ariel Santos, Carla Elgert, Elisa Vogel, Rossano Gastaldo, Vitório Beretta, Wagner Wiprich
Músicas e Texto Original Cláudio Levitan
Cenografia Cláudio Benevenga
Gravuras e Efeitos Especiais Zorávia Bettiol
Direção musical e Arranjos Simone Rasslan
Figurinos Cláudio Benevenga
Iluminação Anilton Souza
Divulgação Rogério Beretta
Produção Rossano Gastaldo

Saiba mais:
www.pimentadoreinoempo.com.br



segunda-feira, 26 de novembro de 2012

PARA SEMPRE: POESIA! (RS)

Uma história real tragicômica de amor, loucura e arte



28 de Novembro, 05, 12 e 19 de Dezembro - 20h
NOVAS CARAS
Teatro de Câmara Túlio Piva

A atriz, chegando ao final de uma etapa - a do curso "superior" de teatro - busca, em processo de autópsia, um diálogo sincero entre vida e arte, chamando a chama que uniu seus pais.

José, após ter sido preso pela ditadura militar e herdado desta experiência grave sofrimento psíquico, escolhe a arte como afirmação da vida e com esta escolha, conquista a companheira que junto a ele toma doses diárias da seguinte decisão: Apesar de tudo, Poesia!

FICHA TÉCNICA
Elenco: Rita Maurício 
Direção e Iluminação: Júlio Saraiva
Texto: Rita Maurício (com poesias de José Luiz Maurício)
Vídeos e fotografias: Marcia Rosa, Júlio Saraiva e Rita Maurício
Fotografias de divulgação:Luiz Eduardo de Oliveira
Orientação: Professora Luciane Olendzki

domingo, 25 de novembro de 2012

EDWARD - O RETORNO (RS)


27 de novembro, 04,11 e 18 de Dezembro
Teatro Aberto
Sala Álvaro Moreira - 20h
Entrada Franca 
A partir da idéia de crítica ao movimento consumista, aos modismos, a banalização da violência gratuita e doentia do mundo atual, chega a cena  “Edward: O Retorno” .O texto é uma Livre adaptação da obra “Crimes Delicados” de José Antônio de Souza
A peça faz uma reflexão sobre a perda de valores, sobre o “seguir a moda”, onde a sociedade procura repetir o que a mídia divulga, as pessoas querem estar atualizadas, mesmo que isso signifique tornar-se um assassino.Na peça, a busca pelo crime perfeito é a moda do momento.
Edward, o empregado resiste à todas maquinações dos seus patrões, Hugo e Lila. Buscando uma reflexão sobre as delicadas relações de poder entre patrões e empregados eA resistência de uma classe dominada.
A busca pelo “crime perfeito” serviu como eixo principal desta montagem.  Inspirada em filmes antigos de terror e trash, “Edward: O Retorno” traz influências de grandes cineastas como: Alfred Hitchcock e Tim Burton, discutido e colocado em evidência por eles em seus filmes. A peça segue uma vertente do teatro do absurdo, baseando-se na linha de trabalho do Eugenè Ionesco que trata sobre a mesma temática do assassinato, como em “A lição”.
É uma noite chuvosa na casa dos lugosi. Os jornais anunciam que uma onda de crimes sequenciais assombram a cidade e que a moda agora é matar. Lilaentediada com sua vida pacata resolve seguir a moda. Confessa ao marido que matou os animais da casa eo convence a matar um dos seus empregados. É quando surge Edward, e eles resolvem mata-lo. Mas nem tudo sai como Hugo e Lila previram.  Algo terrível e misterioso acontece. Hugo e Lila enlouquecem, já não sabem mais o que é real e o que é fruto das suas imaginações.
  
FICHA TÉCNICA:
Direção:
Cândida Bazanella
Texto:
José Antônio de Souza
Elenco:
Morgana Rodrigues
Rodrigo Mello
Rodrigo Azevedo
Cenário:
Rodrigo Azevedo
FIGURINOS:
Cândida Bazanella, Morgana Rodrigues, Rodrigo Azevedo, Rodrigo Mello.
Iluminação:
Leandro Gass.
Trilha sonora pesquisada:
Cândida Bazanella e Rodrigo Mello.
Edição de vídeo e dublagem:
Rodrigo Mello.

CAIO F. (RS)



Dia 28 de novembro, quarta-feira, às 21h, a atriz Silvia Ramos interpretará cartas inéditas do escritor Caio Fernando Abreu, em Porto Alegre (RS). 
O espetáculo CAIO F. teve sucesso nos lugares em que foi exibido, sendo bastante prestigiado pelo público. Esta é a ultima apresentação em POA antes da temporada que fará São Paulo. 
Silvia interpreta as cartas de Caio reconstruído o personagem do escritor através das palavras que perpassam o corpo e a alma da atriz. 
A peça eleva o espectador, conduzindo-o a um universo magnífico, doloroso e contudo, pleno e grávido de vida. 

terça-feira, 20 de novembro de 2012

GOZADAS (RS)

23 de Novembro a 09 de Dezembro
Sextas e Sábados - 21h Domingos - 20h

O Show Gozadas, um pqueno teatro de variedades conta com 10 quadros - cinco de Stanp Up Comedy com Patsy Cecato e cinco dos artistas performáticos Caio Prates e João Carlos Castanha. As personagens de Patsy falam de si e de seu cotidiano.Caio faz dois de suas maiores personagens: Sidney Magal e Fábio Jr. Castanha faz uma performance na pele de Amy Winehouse e de Lady Gaga. Os dois juntos fazem Tom e Vinícius.
Um show pop com muito visual, música, graça e diversão.
Patsy Cecato há tempos desenvolve a temática feminina. Em Gozadas, ela apresenta cinco personagens que discutem os temas populares que mobilizam as mulheres no seu cotidiano: amigas, filhos, marido, namoro, idade, intervenções cirúrgicas, consumo, sexo, beleza. São cinco personagens, cinco trocas de roupa e cinco línguas afiadas para criticar, com bom humor, o cotidiano da mulher comum.

TEATRO EXPERIMENTAL DO NEGRO - TEN



Hoje, 20 de novembro é celebrado o Dia Nacional da Consciência Negra no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A semana dentro da qual está esse dia recebe o nome de Semana da Consciência Negra.
A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. O Dia da Consciência Negra procura ser uma data para se lembrar a resistência do negro à escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte de africanos para o solo brasileiro (1594).
Por isso trago nesta postagem o perfil do Teatro Experimental do Negro, publicado na enciclopédia do Itaú Cultural, movimento teatral angariado por Abdias do Nascimento que valoriza o negro dentro do teatro. 

Teatro Experimental do Negro - 1944/1961 - Rio de Janeiro RJ

Histórico
Idealizado, fundado e dirigido por Abdias do Nascimento, o Teatro Experimental do Negro tem como objetivo a valorização do negro no teatro e a criação de uma nova dramaturgia. Contemporâneo de Os Comediantes, companhia com a qual realiza intercâmbios, o Teatro Experimental do Negro atua no nascimento do teatro moderno, priorizando seu projeto artístico sem levar em conta o gosto médio da platéia e abrindo mão da profissionalização.

O projeto do Teatro Experimental do Negro - TEN, engloba o trabalho pela cidadania do ator, por meio da conscientização e também da alfabetização do elenco, recrutado entre operários, empregadas domésticas, favelados sem profissão definida e modestos funcionários públicos. A companhia inicia suas atividades em 1944, colaborando com o Teatro do Estudante do Brasil (TEB), na encenação da peça Palmares, de Stella Leonardos. Quando decide empreender um espetáculo próprio constata que não há, na dramaturgia brasileira, textos que sirvam aos seus objetivos. Abdias do Nascimento descobre em O Imperador Jones, de Eugene O'Neill, o retrato mais aproximado da situação do negro após a abolição da escravatura. O autor cede gratuitamente os direitos e o grupo ensaia durante seis meses, tendo aulas de interpretação com o professor Ironildes Rodrigues em salas da União Nacional dos Estudantes (UNE). O espetáculo, dirigido por Abdias do Nascimento, estréia em maio de 1945 no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e obtém boa receptividade, com elogios ao protagonista, Aguinaldo Camargo.

O TEN procura estimular a criação de novos textos, que sirvam aos seus propósitos. Sua diretriz é a temática ligada à situação do negro. A falta de resposta à altura de suas expectativas faz Abdias do Nascimento encenar outro texto de Eugene O'Neill, Todos os Filhos de Deus Têm Asas, com a participação da atriz Ruth de Souza.

A primeira resposta à demanda dramatúrgica da companhia é o texto O Filho Pródigo, de Lucio Cardoso, encenado em 1947, com cenários de Tomás Santa Rosa, e protagonizado por Ruth de Souza e Aguinaldo Camargo. Ainda em 1947, participam de Terras do Sem Fim, de Jorge Amado, adaptação de Graça Mello, com direção de Zigmunt Turkov, montagem em colaboração com Os Comediantes. Em 1949, é a vez de Filhos de Santo, de José de Morais Pinho, selecionado entre os textos escritos especialmente para o TEN. Contendo muitos elementos da cultura religiosa negra e pinceladas de crítica social, a peça se baseia em uma situação maniqueísta em que uma jovem é enfeitiçada por um pai-de-santo vilão, que a rouba de seu amado. O espetáculo ocupa o Teatro Regina, com direção de Abdias do Nascimento e cenários de Tomás Santa Rosa. Em 1950, o TEN estréia Aruanda, de Joaquim Ribeiro, um dos poucos textos bem-sucedidos do repertório lançado pela companhia. Trata-se de uma lenda desenvolvida com recurso ao mistério e à sensualidade, sobre o amor entre Rosa Mulata e o Deus Gangazuma, com quem ela se encontra por meio de seu marido, que recebe o espírito do Deus. Embora aponte falhas estruturais na dramaturgia, o crítico Sábato Magaldi considera que a lenda "é um episódio de crença negra dos mais felizes proporcionados pela imaginação primitiva" e que traz "uma história de amor e ciúme de incontestáveis riquezas".1

Abdias do Nascimento escreve Sortilégio para o TEN, encenada por Léo Jusi no Theatro Municipal, em 1957. Baseada numa história de amor que envolve um negro e duas mulheres, uma negra outra branca, a peça, cheia de elementos não realistas, como aparições, flash-backs e personagens que simbolizam o inconsciente coletivo, aborda a tomada de consciência do protagonista a respeito de sua alienação no mundo dos brancos. Embora tenha como ponto de partida uma premissa ideológica, o TEN não se volta para um teatro popular nem para a popularização de sua platéia, apresentando-se muitas vezes no Theatro Municipal, do Rio de Janeiro.

Abdias do Nascimento procura fazer o TEN ultrapassar os limites da função artística e empreender também uma ação social: cria um concurso de beleza para negras e um concurso de artes plásticas com o tema Cristo Negro. Em 1945, promove uma Convenção Nacional do Negro e, em 1950, o 1º Congresso do Negro Brasileiro. Em 1955, realiza a Semana do Negro. Edita o jornal Quilombo.

As atividades do TEN incentivam a criação de iniciativas semelhantes. No Rio de Janeiro, em 1950, Solano Trindade funda o Teatro Popular Brasileiro; em São Paulo, os grupos negros encontram na dramaturgia norte-americana uma fonte para suas encenações experimentais; Geraldo Campos de Oliveira funda também um Teatro Experimental do Negro, que se mantém em atividade durante mais de quinze anos e monta, entre outros, O Logro, de Augusto Boal, 1953; O Mulato, de Langston Hughes, 1957; Laio Se Matou, de Augusto Boal, direção de Raul Martins, 1958; O Emparedado, de Tasso da Silveira; e Sucata, de Milton Gonçalves, ambos em 1961.

Por duas vezes o TEN é impedido de participar de festivais negros internacionais pelo próprio governo brasileiro. Segundo a historiadora Miriam Garcia Mendes, no entanto, esses fatos não devem ser compreendidos apenas como fruto da discriminação racial: "... os movimentos de vanguarda, e o TEN era um deles, sempre enfrentaram grandes dificuldades, não só por falta de apoio oficial, como pela natural reação do público [...] habituado às comédias de costumes inconseqüentes ou dramas convencionais".2

O Teatro Experimental do Negro nunca atingiu a importância social que pretendia em seu tempo. Mas, em termos de história do teatro, significou uma iniciativa pioneira, que mobilizou a produção de novos textos, propiciou o surgimento de novos atores e grupos e semeou uma discussão que permaneceria em aberto: a questão da ausência do negro na dramaturgia e nos palcos de um país mestiço, de maioria negra.

Notas
1. MAGALDI, Sábato. Aruanda. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 22 jul. 1950.

2. MENDES, Miriam Garcia. O negro e o teatro brasileiro (1889 e 1892). São Paulo: Hucitec, 1993. p. 51.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

ESTREMEÇO (RS)


A peça tem texto de Joel Pommerat, autor francês inédito no Brasil e que é destaque na dramaturgia e encenação do teatro contemporâneo europeu. A direção é de Camila Bauer, nossa diretora convidada. A montagem integra o projeto "Diálogos Contemporâneos II" e tem financiamento do Programa Municipal de Fomento ao trabalho Continuado em Artes Cênicas de Porto Alegre, e o Prêmio Funarte Myriam Muniz.

Em ESTREMEÇO  Joel Pommerat utiliza diferentes vozes, sonoridades e fragmentos de histórias com o objetivo de apresentar o homem em sua realidade imediata, nua e perturbadora. Assim, Estremeço caracteriza-se pelo constante jogo de ilusão/realidade sugerido, brincando com nosso imaginário e com aquilo que acreditamos ser a realidade.
De acordo com o autor, essa fragmentação do real denuncia que nós não temos a certeza de um futuro concreto porque as relações humanas consistentes não são possíveis em uma sociedade balizada na ética caracteristicamente sob influência dos fundamentos do mundo de trabalho capitalista. ESTREMEÇO, concentra o olhar sobre a paisagem de uma sociedade obcecada pelo culto à imagem. Disseca os componentes banalizados do nosso cotidiano e entremea canções com depoimentos desoladores de pessoas silenciadas, entediadas ou enraivecidas por uma sociedade desumanizada. Por meio desse espetáculo, queremos questionar o que somos nós, nossas fantasias e o processo de embelezamento que fazemos de nós mesmos, para nos compreender face ao mundo e a nossos próprios olhos. A obra de Pommerat destrói todas as nossas máscaras, revelando-nos tal e como somos enquanto humanidade.


de 22 de novembro a 02 de dezembro
quintas a sábados às 21h domingos às 20h
no Teatro Renascença

ESTREMEÇO (Je Treim)
de Joel Pommerat

Direção
CAMILA BAUER
Elenco:
ADRIANE MOTTOLA
CASSIANO RANZOLIN
DUDA CARDOSO
FERNANDA PETIT
JANAINA PELIZZON
LAURO RAMALHO
RODRIGO MELLO
SOFIA SALVATORI

Tradução
GIOVANA SOAR

Cenografia
ÉLCIO ROSSINI

Figurino
CÁSSIO BRASIL

Trilha Sonora Original
NICO NICOLAIEWSKY

Iluminação
LUIZ ACOSTA

Confecção de Objetos
CIA GENTE FALANTE

Direção de vídeo
BRUNO GULARTE BARRETO

Assistência de Direção
MATHEUS MELCHIONNA

Preparação Corporal
CARLOTA ALBUQUERQUE

Cabelos e Maquiagem
ELISON COUTO, by The Cut

Assistência de Figurino
DUDA CARDOSO

Confecção de Figurino
NARAY PEREIRA

Operação de Som
VITÓRIO AZEVEDO

Programação Visual
RODRIGO MELLO

Pintura
GELSON RADAELLI

Fotos
VILMAR CARVALHO

Divulgação
LAURO RAMALHO

Projetos
LUCIANA BRITTO

Produção
ADRIANE MOTTOLA
DUDA CARDOSO
FERNANDO KIKE BARBOSA

Realização
CIA TEATRO DI STRAVAGANZA

Acesse o site do espetáculo ESTREMEÇO.




ENQUANTO A CIDADE SE DESPEDAÇA (RS)


Um grupo de personagens/atores/performers trancados em uma sala/espaço/cenário em busca de algo, alguma coisa, uma sinopse, uma catastrofe, mas não de bilheteria. Os alunos do Nucleo de Formação de Atores do Teatro Sarcáustico trazem a cena uma livre inpiração de quarto textos do aclamado dramaturgo Sam Shepard , La Turista, Mente Mentira, Oeste Verdadeiro e Angel City. Com direção de Ricardo Zigomático e dramaturgia de Rossendo Rodrigues. Ninguém está a salvo da poluição Enquanto a Cidade Se Despedaça.

Ficha Tecnica

Direção: Ricardo Zigomático
Assistente de direção: Guadalupe Casal
Dramaturgista: Rossendo Rodrigues

Elenco:
Ana Caroline de David
Caroline Martins
Clarissa Brittes
Cristiane Marçal
Daniel Calin
Elena Schuck
Fabio Pinto
Julia Kielling Lucas
Matheus Santos da Silva
Renata Zonatto